Querem tirar o crucifixo da Câmara

Nada muda com a retirada de crucifixos das paredes dos prédios públicos. O que deve mudar, na verdade, são os corações das autoridades brasileiras que, insensíveis às justas causas populares, preferem cuidar de assuntos estranhos àquilo que o povo espera. O crucifixo foi, é e sempre será um símbolo religioso de resistência às injustiças provocadas por um poder que retrai, às malvadezas dos governos, às permissividades da tripartição mal engenhada que permite abusos e absurdos silenciosos. Essa onda contra os símbolos religiosos nos poderes judiciário e legislativo faz parte de um poderoso processo de descristianização da sociedade, que pretende relativizar todas as coisas, porque, dessa forma, sem a presença simbólica da mensagem bíblica, fica mais fácil praticar os atos mais covardes contra os empobrecidos. O crucifixo é o sinal da paixão, morte e ressurreição de Jesus pela humanidade. O crucifixo nunca quis desrespeitar outras religiões, mas incomoda muita gente por falar de uma verdade moral e universal em que o amor é o centro. Como símbolo religioso, enraizado na cultura popular brasileira, sua exposição em paredes públicas só faz reforçar nossa identidade.

About Marcelo Ortega
Católico atuante, tesoureiro do subsecretariado do TLC de Avaré.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *